2018 foi um ano polarizante em relação ao Rap. O ano que nos deu projectos de extrema qualidade de Pusha T, A$ap Rocky, Jay Rock e Travis Scott (entre dezenas de outros artistas) foi também o ano em que a cultura perdeu Mac Miller e XXXtentacion. Por entre as constantes discussões entre a legitimidade das novas sonoridades emergentes e aquelas de corte mais clássico, parece aumentar cada vez mais o espaço entre ambos os lados da cultura, com algumas excepções ocasionais (diga-se Joey Bada$$, J. Cole e Kendrick Lamar por exemplo…).

No meio de uma cultura cada vez maior, mas que mostra sinais de estar prestes a defrontar-se com uma crise de identidade que poderá marcar o seu futuro como o maior movimento artístico e cultural do milénio, surge 6ix9ine. Ou Tekashi69. Ou “The King Of New York” como se auto-apelidou Daniel Hernandez, nascido em Brooklyn a 8 de Maio de 1996. De cabelo arco-íris e grelhas dentárias da(s) mesma(s) cor(es), Tekashi foi uma das figuras mais mediáticas do ano.

Com vários videoclipes virais, um projecto que alcançou um lugar no top 5 das tabelas norte-americanas, milhões de seguidores nas várias redes sociais e uma constante presença nas manchetes de centenas de publicações digitais por todo o mundo, a carreira de 6ix9ine começava a ganhar uma força que parecia culminar num estatuto de super-estrela.

Apesar de alguns aspectos da sua vida estarem a correr optimamente, o seu passado sombrio e as suas relações com o mundo do crime organizado e a cultura de gangues, viriam assombrar o jovem rapper e colocar em risco todo o sucesso que havia até então adquirido.

Depois de em 2015 ter saído em liberdade em relação ás acusações de uso de uma criança (de apenas 13 anos) numa performance sexual, os seus actos reincidentes colocaram de novo Tekashi no banco dos réus, apenas para mais uma vez o mesmo sair em liberdade, cumprindo uma pena suspensa de 4 anos e tendo sido condenado a cumprir 1000 horas de trabalho comunitário.

Ainda a celebrar a sua recentemente adquirida liberdade, e enquanto se preparava para lançar o seu próximo projecto (que acabou por ser divulgado ilegalmente na internet na data prevista para o seu lançamento) o rapper despediu a sua equipa alegando que vários membros estariam a desviar uma larga quantia das suas receitas, assunto que abordou na sua entrevista ao programa de rádio HOT 97. O projecto seria talvez o mais importante da sua carreira, contando com a presença de Nicki Minaj e Kanye West, e  poderia catapultar a sua carreira para patamares ainda mais elevados do que aqueles que havia conquistado num tão curto espaço de tempo.

Poderia parecer que a sorte estaria do lado do artista, mas no dia 18 de Novembro, o rapper foi preso e acusado de 6 crimes pelo Departamento De Crime Organizado e Corrupção dos Estados Unidos (uma divisão do governo federal). Entre as acusações apontadas a 6ix9ine encontram-se a posse ilegal de armas, o tráfico de drogas, a participação em gangs e conspiração para cometer homicídio.

Uma acusação do governo federal dos Estados Unidos significa que todos os recursos do governo norte-americano estão á disposição dos acusadores de 6ix9ine. Além disso, apesar da sua tenra idade, os seus antecedentes criminais, o facto de as novas acusações quebrarem as regras estabelecidas o seu acordo de pena suspensa e o seu comportamento irresponsável e reincidente não lhe permitem qualquer tipo de atenuantes.

Pouco tempo depois da sua detenção inicial, Tekashi foi transferido para uma prisão diferente devido ao risco de vida no qual a sua afiliação com gangues o colocou. As várias acusações de que é alvo acumulam entre si centenas de anos e duas delas são suficientes para, individualmente, colocarem o rapper na cadeia para o resto da vida.

Apesar de várias declarações dos seus advogados sobre a inocência do artista, a verdade é que uma grande parte das provas que estão a ser usadas contra si provêm dos seus perfis nas redes sociais, tal como o de alguns dos seus associados.

Recentemente, chegaram as manchetes de que Tekashi se declarou culpado de 9 das acusações e que admitiu ser membro do gangue Treyway. Com a sentença marcada para Janeiro de 2020, começam finalmente a surgir alguns detalhes sobre o seu futuro. A pena mínima será de 47 anos, a não ser que Tekashi se considere culpado e coopere com a justiça.