Bem vindos ao segundo Spotlight. Esta semana iremos falar sobre a mixtape de 2019 do grupo Mafia73, desconhecido por muitos, conhecido por outros, Andromeda. Se não conhecem a Mafia73, muito provavelmente este ano já ouviram falar da sua estrela Toy Toy T-Rex. A Mafia73 é composta pelo T-Rex, DVK, Kush, Demme e PIMP William. Abaixo fica a playlist com as 21 faixas.

A história de Andromeda vem desde 2018 (apesar de ter começado a ser gravado antes). No Halloween desse ano o grupo decidiu lançar o EP “Andromeda (Promo)”, com 5 faixas do projeto maior: 5Stars GTA, Calabocah, Ghxst Busters!, Suga e UHWN (produzida por T-Rex). Uma curiosidade: a capa dessa EP é uma simples foto da parede do quarto de T-Rex, onde foram gravados muitos dos temas que até hoje ouvimos dos artistas da Mafia73 (a solo ou em grupo).

É verdade que 21 faixas são uma imensidão de música. 1 hora e 11 minutos. Mas a viagem a Andromeda parece rápida. Isto porque parece mesmo que estamos a viajar para outra galáxia. A sonoridade de Andromeda é diferente daquilo a que estamos habituados. A vibe trademark da Mafia73 é mesmo essa: o futuro. O som etéreo. Algo que parece novo e fresco em Portugal e ficamos à espera de saber se daqui a uns anos serão os “senhores da bandeira” duma nova wave. Sem dúvida a palavra que melhor define Andromeda é futurista.

Talvez não se ganhe paixão por este projecto ao primeiro contacto: levamos com tanta versatilidade, barras, sentidos, melodias, diferença, que é preciso entranhar. Ouvir duas vezes. Deixar passar uns tempos. O que é certo é as harmonias R&B melancólico de “Mónica”, o hype de “Suga” e “Playlist” que nos dá vontade de esquecer a pandemia e saltar para um moshpit ou o drip de Tsunami e Ohkay voltam sempre para nos fazer reféns. Andromeda orbita o trap com uns traços de R&B, mas aquilo que mais sobressai é mesmo a originalidade e versatilidade deste projeto. Faixas como UHWN ou Problem, Ghxst Busters! e Tradgic, são o epítome da criatividade experimental, em que nos é transparecida totalmente abertura e diversão em simplesmente criar no estúdio.

Temos ainda participações de Nimsay, a “R&B Princess” da label BandoMusic, onde a Mafia73 dá cartas, e de Rafromdaco, membro do grupo londrino VXMOB. Tudo colaborações familiares, e é esse mesmo o sentimento durante toda a mixtape. Uma coesão entre os artistas, cada um com a sua marca bastante própria: os flows e melodias futuristas de Demme, o ritmo pausado e fresco de Kush, o R&B e darkness de DVK que partilha o inglês com PIMP William, o membro que se estreou neste projeto num estilo rager e com uma voz que cria sombra com a sua presença. Temos, claro, T-Rex, que rebenta em flows, melodias, bars… é à escolha. É de ressaltar que foi o próprio a tratar de toda a masterização, mistura, captação da mixtape, para além de ter produzido alguns instrumentais.

Andromeda merece ser ouvido pelo menos uma vez. Nem que seja para acompanhar a história que se está a criar. Podemos notar a evolução dum grupo cuja luz cada vez mais aumenta em trabalhos mais recentes como LIFE., ou a evolução individual, dado que os membros mais antigos têm projetos já publicados e trabalham em lançamentos futuros a solo. Podemos encontrar pelas 21 faixas 1 tema a solo de cada um dos membros. Certamente essa evolução será confirmada no álbum de originais 73GDF, que já tem algumas faixas terminadas e deverá sair em 2021.

Infelizmente, não existe nenhuma componente visual que ilustre Andromeda. É uma pena, mas a verdade é que é difícil replicar o imaginário de faixas tão futuristas. Aquilo que nos faz imaginar é difícil de transpor para a realidade, mas esperamos que nos próximos projetos tenhamos algo pôr os olhos a par dos ouvidos.

Destaque, acima de tudo, para as faixas Suga, TTNA, Boss, Mónica, Tsunami e Problem. Mas o melhor é mesmo ouvir tudo. É garantido que vão voltar à Via Láctea com sede de Andromeda. Boa viagem.